Pular para o conteúdo principal

Vai à "PQP" os construtores de crise!


Hoje acordei com essa vontade: mandar à "PQP" todos que de uma maneira ou de outra torcem mesmo é por um Brasil cada vez pior. Vale são eles e os deles estarem numa boa, o resto que se exploda.
Já são alguns anos vivendo e acompanhando a política brasileira, vendo e ouvindo de tudo. Se 30% do que prometeram aos brasileiros tivessem em vigor, certamente estávamos no topo do ranking da economia mundial.
Eu hoje "sou apenas um rapaz latino americano sem dinheiro no banco", mas, rico de memória para contar um pouco dessa história podre cultivada no meio de políticos brasileiros. Lógico que há políticos e políticos. Tem muita diferença aí.
O pior é que essa "malandragem" banca boa parte da imprensa e membros dela para agirem em seu favor, sob o manto mais oportuno do momento.
Vou desenhar: a propagação do Covid-19 no mundo inteiro é acompanhada pela ciência. Aqui no Brasil é pelos políticos, que se utilizam até de uma pandemia para "faturar" de todo jeito, inclusive, da condição emergencial que permite os gastos públicos de forma acelerada, e sem os rigores da licitação.
Não é apenas isso. Há um jogo no centro do gramado (Brasília) que poucos podem acompanhar todos os lances para entender a verdadeira intenção desse e, ou daquele cruzamento.
No momento o time a ser batido é o presidente Bolsonaro, que aliás, joga praticamente sozinho contra tudo e contra todos. A marcação de alguns veículos de comunicação que estão desfalcados das "gordas contas de publicidade" exploraram até uma coçada no nariz se o gesto for do presidente. Imagine ir às ruas e cumprimentar cidadãos. Valei-me! Irresponsável é o menor adjetivo, e o comportamento do cidadão Bolsonaro, no cargo de presidente, é merecedor de impeachment.
De arrombar é que o cara taxado de louco tem muita inteligência, e manda seus recados com atitudes, deixando políticos e sua imprensa atordoados, sem saber o que fazer. O presidente enxerga muito, e vai usando táticas diferenciadas para que a população construa sua interpretação sem depender dos editoriais alugados, que geram conteúdos negativos, provocando pânico através dos noticiários.
O coronavírus foi o último atacante que essa turma precisava para arrebentar com Bolsonaro. Isso mesmo. Os picaretas perceberam o quanto poderia agravar, e pela crise sanitária, desmontar a estrutura econômica que o Brasil já havia recuperado até agora. Executivo muito forte economicamente não é bom para quem vivia mal acostumado. Para essa parcela siginifitiva de "vampiros do poder" quanto pior melhor. É tipo: "dê minha parte, que a gente lhe segura por aqui". E por aí vão-se os lotes nos espaços do governo, os mensalões, e tantas baboseiras já conhecidas dos brasileiros.
Alguém tem informações de quantos casos confirmados de Coronavírus nasceram nas filas da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil por esses dias? Ué? E não se trata de aglomeração? E das últimas manifestações em favor do presidente, quantas pessoas foram infectadas ali?
Perceberam que é melhor manter o pavor do que equilibrar a questão sanitária com a economia? Essa turma quer o Brasil quebrado para responsabilizar o presidente, e arrancar ele do Planalto contrariando o que desejou a maioria dos barsileiros nas urnas.
Confesso que optei por me recolher bem, e analisar toda a movimentação política diante da pandemia. Evitei até escrever por alguns momentos, para não tratar de conclusões precipitadas.
Hoje já posso dizer com mais clareza que o vírus político está mais letal que o Covid-19. Aos pequenos, as consequências da doença. Aos que têm poder, o melhor proveito do instante. Sejam políticos e, ou financeiros.
Se o presidente tem algum erro de comportamento pessoal, assim como seus filhos, que busquem reparar, entretanto, na condução do executivo nacional muita coisa mudou, e pra melhor.
Fico me perguntando, e devolvo o questionamento para os leitores desta coluna: já imaginaram enfrentar o coronavírus do tamanho que pintaram, inclusive, o ex-ministro Mandeta, se a economia do país não estivesse com o mínimo de equilíbrio?
Pense nisso, e aproveite também para mandar a "PQP" os construtores de crise!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Decisão do ministro Alexandre de Moraes é temerária para um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins

O artigo a seguir foi extraído do endereço eletrônico registrado no final, e tem a autoria de um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins, que faz referência, inclusive, à possibilidade de intervenção militar diante da desordem e desarmonia entre os poderes (em negrito no texto). Leia na íntegra: "Harmonia e independência dos poderes? Por Ives Gandra Martins Aos 85 anos e mantendo amizade e admiração com e por grande parcela dos juristas brasileiros e muitos estrangeiros, de todas as colorações ideológicas, é sempre com constrangimento que, no dever que me imponho de cidadão, sinto-me na obrigação de expor opinião contrária àqueles expoentes do direito, que, sendo amigos, encontram-se em funções públicas. Ao ler a Constituição, cujos trabalhos acompanhei de perto, participando de audiências públicas, oferecendo textos, alguns aprovados pela Constituinte e, informalmente, assessorando alguns constituintes, não consigo encontrar nenhum dispositivo que

A "generosidade" do Banese em nome da pandemia visa lucro altíssimo

O governador Belivaldo Chagas determinou que o Banco do Estado de Sergipe PRORROGASSE por três meses as mensalidades dos empréstimos consignados dos servidores públicos, bem como os CDCs , devido o momento difícil que todos estão passando pela pandemia do Covid-19. Desde o dia 1° de maio o BANESE   já disponibilizou para os aplicativos de smartphones a opção de "PRORROGAÇÃO" para quem tem empréstimo com a instituição financeira, e já provocou dúvidas e indignação em quem fez simulações nas "ofertas generosas" do banco para seus clientes. Diferente do que determinou o governador do Estado, e mais ainda do que explicou a assessoria de comunicação do BANESE, que disse o seguinte: "Dessa forma, a prorrogação está sendo oferecida com a manutenção da taxa de juros do contrato anterior, sem aumento no valor mensal das parcelas e sem cobrança de IOF, com a distribuição dos juros de carência nas parcelas do novo contrato". Dito assim, leigo que somos do sis

CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS VIRTUAIS

Nestes últimos dias fomos agraciados com mais uma novidade que irá vigorar nas próximas eleições municipais, a possibilidade de que as convenções partidárias ocorram virtualmente. É certo que a pandemia que nos aflige acelerou mudanças que seriam observadas ao longo dos anos, fazendo presente cada vez mais a tecnologia à nossa vida, consequentemente ao sistema eleitoral também. Já passamos pelo período das janelas partidárias, das filiações, do alistamento, de mudança de domicílio eleitoral e de regularização do título de eleitor, tudo feito de forma virtual. Em nossos textos é sempre mencionada a necessidade de adequação ao momento em que estamos vivendo, e a experiência vem demonstrando tal necessidade, sendo certo o fato de que quem não buscar se amoldar ao momento poderá ficar para trás no pleito vindouro. Especificamente no que tange à realização das convenções partidárias por meio virtual, foi realizada consulta ao TSE questionando esta possibilidade, sendo proferido Parecer favo