Pular para o conteúdo principal

MDB de Aracaju (in memorian)

Em tempo de Covid - 19, o Coronavírus, o óbito é o extremo das consequências que a doença pode alcançar. Inclusive, essa é a razão de todo país se encontrar em isolamento social para evitar o contágio, e assim não necessitar parar nas estatísticas que diariamente estão nos noticiários: X infectados - Y confirmados - W curados - Z óbitos.
Eis que no apagar das luzes para que os partidos políticos pudessem receber novos filiados, inclusive com a janela aberta para os detentores de mandatos, o presidente da executiva municipal da capital, o ex-governador Jackson Barreto, anuncia que a sigla não teria chapa para candidaturas a vereador, justificando entre outros motivos, o Covid - 19. Foi a óbito.
Ainda no velatório, o presidente estadual do MDB, deputado federal Fábio Reis, declara que não há crise no partido, mas, revela sua contrariedade com o "amigo" Jackson, que permitiu esse fim logo na capital, mesmo confessando que teria lhe oferecido as condições necessárias para estruturar o MDB de Aracaju, e não fez.
Surpreendeu a "decepção" do presidente estadual com o resultado do MDB da capital sob o comando de Jackson Barreto, já que este havia anunciado lá atrás que não ficaria no partido, deixando-o logo após a aleição municipal deste ano. Ponto.
Outro atestado que o ex-governador deixou claro que pretendia presidir o MDB na capital, depois que percebeu a chegada de Fábio Reis para o comando estadual, vindo de cima para baixo, foi o anúncio com bastante antecedência de apoio à reeleição de Edvaldo Nogueira, tendo em seu quadro o deputado estadual Garibalde Mendonça, que nunca negou seu desejo de ser prefeito de Aracaju.
A forma como chegou à presidência do MDB de Aracaju foi bem ao seu estilo. Atropelou o deputado estadual Garibalde Mendonça, que estava na presidência, e só tomou conhecimento de sua saída para chegada de JB pelo jornalista Jozailto Lima, que foi lhe entrevistar sobre as mudanças no partido. Uma grande falta de respeito. A verdade é essa!
Já na cadeira presidencial do MDB da capital, e depois de entrgar o partido para Edvaldo pensando apenas em si, JB começou a ocupar os espaços políticos planejados pelo atual prefeito para a sigla. Com o baralho na mão, Jackson escolhia as melhores cartas (espaços políticos), e depois o resto. 
As mudanças da forma como fizeram desagradaram os deputados Garibalde Mendonça e Zezinho Guimarães, enquanto Jackson ia abrindo a porta de saída para outros, como foi o caso do vereador Dr. Gonzaga. Tudo isso foi público, mas, parece que não chamava a atenção dos irmãos Reis, que somente agora perceberam a gravidade.
Em tempo, mas, não para construir uma chapa de vereador à altura do MDB, Fábio diz que irá procurar o deputado estadual Garibalde Mendonça para conduzir o processo municipal da capital de agora por diante, com algum encaminhamento para o apoio ao prefeito Edvaldo Nogueira em sua reeleição.
Outro erro. Não o de procurar Garibalde para esta missão, mas, já acenando com uma espécie de bloqueio ao desejo do deputado colocar seu nome à disposição do povo de Aracaju. Por quê não? 
Se os irmãos Reis desejam entregar  a condução do processo para o parlamentar estadual com base em Aracaju, é preciso que considerem o jogo zerado depois da desconstrução feita pelo ex-governador Jackson Barreto, e dêem a liberdade e autonomia que Garibalde necessita para que o MDB esteja inserido no arco de aliança de Edvaldo com todas as possibildades que estão postas no entorno da aliança do atual governador Belivaldo Chagas, como é o caso do PT, que vai bancar uma candidatura própria, mas, continua apoiando o governo estadual.
Se for pra não ser assim, muda-se apenas o nome do comandante do partido na capital, e o MDB de Aracaju continuará em óbito, segundo JB, por conta do Covid-19. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Decisão do ministro Alexandre de Moraes é temerária para um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins

O artigo a seguir foi extraído do endereço eletrônico registrado no final, e tem a autoria de um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins, que faz referência, inclusive, à possibilidade de intervenção militar diante da desordem e desarmonia entre os poderes (em negrito no texto). Leia na íntegra: "Harmonia e independência dos poderes? Por Ives Gandra Martins Aos 85 anos e mantendo amizade e admiração com e por grande parcela dos juristas brasileiros e muitos estrangeiros, de todas as colorações ideológicas, é sempre com constrangimento que, no dever que me imponho de cidadão, sinto-me na obrigação de expor opinião contrária àqueles expoentes do direito, que, sendo amigos, encontram-se em funções públicas. Ao ler a Constituição, cujos trabalhos acompanhei de perto, participando de audiências públicas, oferecendo textos, alguns aprovados pela Constituinte e, informalmente, assessorando alguns constituintes, não consigo encontrar nenhum dispositivo que

A "generosidade" do Banese em nome da pandemia visa lucro altíssimo

O governador Belivaldo Chagas determinou que o Banco do Estado de Sergipe PRORROGASSE por três meses as mensalidades dos empréstimos consignados dos servidores públicos, bem como os CDCs , devido o momento difícil que todos estão passando pela pandemia do Covid-19. Desde o dia 1° de maio o BANESE   já disponibilizou para os aplicativos de smartphones a opção de "PRORROGAÇÃO" para quem tem empréstimo com a instituição financeira, e já provocou dúvidas e indignação em quem fez simulações nas "ofertas generosas" do banco para seus clientes. Diferente do que determinou o governador do Estado, e mais ainda do que explicou a assessoria de comunicação do BANESE, que disse o seguinte: "Dessa forma, a prorrogação está sendo oferecida com a manutenção da taxa de juros do contrato anterior, sem aumento no valor mensal das parcelas e sem cobrança de IOF, com a distribuição dos juros de carência nas parcelas do novo contrato". Dito assim, leigo que somos do sis

CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS VIRTUAIS

Nestes últimos dias fomos agraciados com mais uma novidade que irá vigorar nas próximas eleições municipais, a possibilidade de que as convenções partidárias ocorram virtualmente. É certo que a pandemia que nos aflige acelerou mudanças que seriam observadas ao longo dos anos, fazendo presente cada vez mais a tecnologia à nossa vida, consequentemente ao sistema eleitoral também. Já passamos pelo período das janelas partidárias, das filiações, do alistamento, de mudança de domicílio eleitoral e de regularização do título de eleitor, tudo feito de forma virtual. Em nossos textos é sempre mencionada a necessidade de adequação ao momento em que estamos vivendo, e a experiência vem demonstrando tal necessidade, sendo certo o fato de que quem não buscar se amoldar ao momento poderá ficar para trás no pleito vindouro. Especificamente no que tange à realização das convenções partidárias por meio virtual, foi realizada consulta ao TSE questionando esta possibilidade, sendo proferido Parecer favo