Pular para o conteúdo principal

Opiniao: "O Milagre do Coronavírus!!!"

Por Prof Dr Honório Menezes

Hoje, conversando com meu irmão Ozorio, que também é médico percebemos que de repente ninguém mais morre, todos viraram imortais da noite para o dia. A única morte que se admite é por coronavírus. A humanidade virou imortal. Que sonho lindo. A imprensa sensacionalista, venal e desonesta esconde a morte e nos mostra um único monstro: o coronavírus. Este sim mata, o resto não existe. Desapareceram os óbitos por qualquer outra doença. Até dizem que tem governador proibindo as pessoas morrerem de outra causa que não por coronavírus. Converso com meu irmão e pergunto. Será mesmo que viramos imortais? Que somos os escolhidos de Deus para só morrermos de uma única causa? Bem, de minha parte eu acredito em Deus, mas não acredito no que a impressa diz sobre a nossa imortalidade repentina. Nem meu irmão acredita. Então vejamos: o Brasil registra 200 casos de tuberculose por dia, foram 4881 mortes por tuberculose só em 2019. Essas pararam todas quando o coronavírus chegou, milagre! Mas como somos o país dos milagres eles aconteceram também com a Dengue, o Brasil registrou 332.397 casos de dengue nas primeiras 10 semanas de 2020 (até 7 de março) com 77 mortes. Mas com a chegada do coronavírus a Dengue fugiu para o mato e ninguém mais morreu de dengue. Não é um verdadeiro milagre? Esses são dados oficiais, qualquer um tem acesso (menos os jornalistas). Nos perguntamos, a malária também sumiu? A febre amarela, a esquistossomose, a diarreia infecciosa, os infartos do coração, os derrames, o câncer, os acidentes? Nos tornamos, de repente, o povo mais imortal do planeta. Que maravilha!!! Ninguém mais tem apendicite! (Se tiver não dá para operar porque o respirador está reservado para o coronavírus). Somos imortais. Durante 24h por dia nossos telejornais só noticiam mortes pelo coronavírus, esse mágico vírus que curou todas as doenças e tomou para si, sozinho, a tarefa de matar a humanidade. E logo arrumou aliados, uma imprensa falida moral e economicamente, governantes inescrupulosos pensando na próxima eleição e um povo idiotizado por 20 anos de doutrinação. O resultado desses 3 fatores foi maravilhoso: a imortalidade. Em quarenta anos de medicina, 20 como professor, nunca vi tantos ignorantes em matéria de epidemiologia serem entrevistados, tanta mentira ser contada como verdade, tantas pessoas serem enganadas por jornalistas e governantes. E quando alguém diz algo inconveniente na TV logo cortam a imagem (caso do Dr Anthony Wong, por exemplo). Há interesse em apavorar a população, entrevistas combinadas, perguntas e respostas combinadas, nada pode ser dito diferente. E o povo acredita nesses cretinos! Depois de passar a imortalidade do Coronavírus me cobrem quem matou mais? As doenças citadas acima ou o apovorante, poderoso e nunca visto flagelo da humanidade, o coronavírus! Essa será a grande desculpa para prefeitos maus gestores e governadores atolados em dívidas justificarem suas falhas, foi o coronavírus! Todos se aproveitando do vírus! Mas tem algo que o coronavírus não contava, algo mais forte que ele, mais poderoso, capaz de nos trazer de volta à vulgaridade de sermos humanos novamente, sermos mortais, esse algo poderoso se chama fome! Essa maldita nos acordará da maravilhosa imortalidade que vivemos!!! Claro que os boletos vão dar uma ajudinha e nos mostrar, também, o quanto estão nos mentindo. Quem viver verá! Escrito por mim, Prof Dr Honório Menezes, no sábado à noite, 28/março, sem ter o que fazer, conversando com meu irmão e aproveitando a imortalidade.
Hoje, conversando com meu irmão Ozorio, que também é médico percebemos que de repente ninguém mais morre, todos viraram imortais da noite para o dia. A única morte que se admite é por coronavírus. A humanidade virou imortal. Que sonho lindo. A imprensa sensacionalista, venal e desonesta esconde a morte e nos mostra um único monstro: o coronavírus. Este sim mata, o resto não existe. Desapareceram os óbitos por qualquer outra doença. Até dizem que tem governador proibindo as pessoas morrerem de outra causa que não por coronavírus. Converso com meu irmão e pergunto. Será mesmo que viramos imortais? Que somos os escolhidos de Deus para só morrermos de uma única causa? Bem, de minha parte eu acredito em Deus, mas não acredito no que a impressa diz sobre a nossa imortalidade repentina. Nem meu irmão acredita. Então vejamos: o Brasil registra 200 casos de tuberculose por dia, foram 4881 mortes por tuberculose só em 2019. Essas pararam todas quando o coronavírus chegou, milagre! Mas como somos o país dos milagres eles aconteceram também com a Dengue, o Brasil registrou 332.397 casos de dengue nas primeiras 10 semanas de 2020 (até 7 de março) com 77 mortes. Mas com a chegada do coronavírus a Dengue fugiu para o mato e ninguém mais morreu de dengue. Não é um verdadeiro milagre? Esses são dados oficiais, qualquer um tem acesso (menos os jornalistas). Nos perguntamos, a malária também sumiu? A febre amarela, a esquistossomose, a diarreia infecciosa, os infartos do coração, os derrames, o câncer, os acidentes? Nos tornamos, de repente, o povo mais imortal do planeta. Que maravilha!!! Ninguém mais tem apendicite! (Se tiver não dá para operar porque o respirador está reservado para o coronavírus). Somos imortais. Durante 24h por dia nossos telejornais só noticiam mortes pelo coronavírus, esse mágico vírus que curou todas as doenças e tomou para si, sozinho, a tarefa de matar a humanidade. E logo arrumou aliados, uma imprensa falida moral e economicamente, governantes inescrupulosos pensando na próxima eleição e um povo idiotizado por 20 anos de doutrinação. O resultado desses 3 fatores foi maravilhoso: a imortalidade. Em quarenta anos de medicina, 20 como professor, nunca vi tantos ignorantes em matéria de epidemiologia serem entrevistados, tanta mentira ser contada como verdade, tantas pessoas serem enganadas por jornalistas e governantes. E quando alguém diz algo inconveniente na TV logo cortam a imagem (caso do Dr Anthony Wong, por exemplo). Há interesse em apavorar a população, entrevistas combinadas, perguntas e respostas combinadas, nada pode ser dito diferente. E o povo acredita nesses cretinos! Depois de passar a imortalidade do Coronavírus me cobrem quem matou mais? As doenças citadas acima ou o apovorante, poderoso e nunca visto flagelo da humanidade, o coronavírus! Essa será a grande desculpa para prefeitos maus gestores e governadores atolados em dívidas justificarem suas falhas, foi o coronavírus! Todos se aproveitando do vírus! Mas tem algo que o coronavírus não contava, algo mais forte que ele, mais poderoso, capaz de nos trazer de volta à vulgaridade de sermos humanos novamente, sermos mortais, esse algo poderoso se chama fome! Essa maldita nos acordará da maravilhosa imortalidade que vivemos!!! Claro que os boletos vão dar uma ajudinha e nos mostrar, também, o quanto estão nos mentindo. Quem viver verá! Escrito por mim, Prof Dr Honório Menezes, no sábado à noite, 28/março, sem ter o que fazer, conversando com meu irmão e aproveitando a imortalidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Decisão do ministro Alexandre de Moraes é temerária para um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins

O artigo a seguir foi extraído do endereço eletrônico registrado no final, e tem a autoria de um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins, que faz referência, inclusive, à possibilidade de intervenção militar diante da desordem e desarmonia entre os poderes (em negrito no texto). Leia na íntegra: "Harmonia e independência dos poderes? Por Ives Gandra Martins Aos 85 anos e mantendo amizade e admiração com e por grande parcela dos juristas brasileiros e muitos estrangeiros, de todas as colorações ideológicas, é sempre com constrangimento que, no dever que me imponho de cidadão, sinto-me na obrigação de expor opinião contrária àqueles expoentes do direito, que, sendo amigos, encontram-se em funções públicas. Ao ler a Constituição, cujos trabalhos acompanhei de perto, participando de audiências públicas, oferecendo textos, alguns aprovados pela Constituinte e, informalmente, assessorando alguns constituintes, não consigo encontrar nenhum dispositivo que

A "generosidade" do Banese em nome da pandemia visa lucro altíssimo

O governador Belivaldo Chagas determinou que o Banco do Estado de Sergipe PRORROGASSE por três meses as mensalidades dos empréstimos consignados dos servidores públicos, bem como os CDCs , devido o momento difícil que todos estão passando pela pandemia do Covid-19. Desde o dia 1° de maio o BANESE   já disponibilizou para os aplicativos de smartphones a opção de "PRORROGAÇÃO" para quem tem empréstimo com a instituição financeira, e já provocou dúvidas e indignação em quem fez simulações nas "ofertas generosas" do banco para seus clientes. Diferente do que determinou o governador do Estado, e mais ainda do que explicou a assessoria de comunicação do BANESE, que disse o seguinte: "Dessa forma, a prorrogação está sendo oferecida com a manutenção da taxa de juros do contrato anterior, sem aumento no valor mensal das parcelas e sem cobrança de IOF, com a distribuição dos juros de carência nas parcelas do novo contrato". Dito assim, leigo que somos do sis

CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS VIRTUAIS

Nestes últimos dias fomos agraciados com mais uma novidade que irá vigorar nas próximas eleições municipais, a possibilidade de que as convenções partidárias ocorram virtualmente. É certo que a pandemia que nos aflige acelerou mudanças que seriam observadas ao longo dos anos, fazendo presente cada vez mais a tecnologia à nossa vida, consequentemente ao sistema eleitoral também. Já passamos pelo período das janelas partidárias, das filiações, do alistamento, de mudança de domicílio eleitoral e de regularização do título de eleitor, tudo feito de forma virtual. Em nossos textos é sempre mencionada a necessidade de adequação ao momento em que estamos vivendo, e a experiência vem demonstrando tal necessidade, sendo certo o fato de que quem não buscar se amoldar ao momento poderá ficar para trás no pleito vindouro. Especificamente no que tange à realização das convenções partidárias por meio virtual, foi realizada consulta ao TSE questionando esta possibilidade, sendo proferido Parecer favo