Pular para o conteúdo principal

Da capital ao interior o papo é eleição

Não tem jeito. Brasileiro, na sua maioria, gosta de política, principalmente, da resenha que antecede as eleições. Pode começar falando de tudo, mas, de alguma forma a política é item de conversas em todos os cantos deste imenso Brasil. 
Evidente que Sergipe não seria exceção à regra, ainda mais, como diz o ex- governador Albano Franco: "terra que todo mundo se conhece". E é mesmo.
A capital sempre foi o centro das atenções e também o espelho para as demais cidades do interior do estado. E este ano promete muito mais. A pré campanha já revela isso, devido aos fatos que já ocorreram. Relembrando: 1) PT rompe com o atual prefeito, Edvaldo Nogueira, aliado histórico. 2) PV aborta candidatura de Almeida Lima. 3) Cidadania escolhe Daniele Garcia, e deixa a Patriota Emília Correia na bronca (pelo menos é a impressão que se tem). 4) apoio de Jackson Barreto para Edvaldo é dúvida até o carnaval. 5) pesquisas revelam resultados para todos os gostos. E por aí vai.
Ouvindo um aqui, outro acolá, vai se construindo também os cenários do interior.
Nossa Senhora do Socorro: o atual prefeito padre Inaldo deverá enfrentar o deputado federal e ex-prefeito Fábio Henrique.
São Cristóvão: a novidade é o desejo do ex-prefeito Armando Batalha voltar ao comando da cidade, e disputar conta o atual Marcos Santana, além de outras candidaturas com a do Cel. Rocha pelo Cidadania. Ainda tem muita coisa para acontecer no decorrer das arrumações.
Barra dos Coqueiros: o atual vice-prefeito, Alisson Souza, é o principal  adversário do grupo do prefeito Airton Martins. Há uma grande possibilidade de Alisson não disputar a eleição filiado ao Solidariedade, partido comandado no estado pelo deputado federal Gustinho Ribeiro. Até onde alcancei, a sigla tem pendências financeiras no município, e o atual vice-prefeito não quer correr o risco de impedimentos burocráticos por conta de partido. Já conversa inclusive com outras agremiações. E ele tá certo.
Itaporanga: a ex-prefeita Gracinha não faz outra coisa, senão, articular sua candidatura para retornar ao topo do executivo municipal. Para isso ela conta com o seu irmão Júnior que joga muito no campo da política local. É articulador de bastidores. Este ano quem deve disputar um vaga para Câmara de vereadores é o empresário Cicinato (o pai). Segundo ele, há necessidade de renovar o parlamento não apenas os nomes, mas, a prática que se aplica para chegar lá. "A dignidade do povo não pode ser afetada pela compra de votos. O povo precisa é de gestão comprometida com suas causas, e de representatividade sincera, sem a maquiagem do assistencialismo". Me comentou Cicinato. Ótimo nome para qualquer cargo eletivo de Itaporanga.
Propriá: o atual secretário de estado da saúde, Dr. Valberto, é o nome a ser batido em outubto próximo. Por lá a turma do contra se movimenta de todo jeito para tentar impedir que o doutor sente na cadeira de prefeito. Até um "tambaqui" são capazes de apoiar, se souberem que pode vencer Valberto. 
Telha: o ex-prefeito Zé João se prepara para o enfrentamento com o atual Flávio Dias. Essa eleição promete na pequenina cidade!
Lagarto: pela movimentação que faz no município, o nome da família Reis que deve ir para a eleição será Sérgio. O grupo de Valmir ainda não revelou o nome do candidato.
Aos poucos vamos girando pelo interior sergipano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Decisão do ministro Alexandre de Moraes é temerária para um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins

O artigo a seguir foi extraído do endereço eletrônico registrado no final, e tem a autoria de um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins, que faz referência, inclusive, à possibilidade de intervenção militar diante da desordem e desarmonia entre os poderes (em negrito no texto). Leia na íntegra: "Harmonia e independência dos poderes? Por Ives Gandra Martins Aos 85 anos e mantendo amizade e admiração com e por grande parcela dos juristas brasileiros e muitos estrangeiros, de todas as colorações ideológicas, é sempre com constrangimento que, no dever que me imponho de cidadão, sinto-me na obrigação de expor opinião contrária àqueles expoentes do direito, que, sendo amigos, encontram-se em funções públicas. Ao ler a Constituição, cujos trabalhos acompanhei de perto, participando de audiências públicas, oferecendo textos, alguns aprovados pela Constituinte e, informalmente, assessorando alguns constituintes, não consigo encontrar nenhum dispositivo que

A "generosidade" do Banese em nome da pandemia visa lucro altíssimo

O governador Belivaldo Chagas determinou que o Banco do Estado de Sergipe PRORROGASSE por três meses as mensalidades dos empréstimos consignados dos servidores públicos, bem como os CDCs , devido o momento difícil que todos estão passando pela pandemia do Covid-19. Desde o dia 1° de maio o BANESE   já disponibilizou para os aplicativos de smartphones a opção de "PRORROGAÇÃO" para quem tem empréstimo com a instituição financeira, e já provocou dúvidas e indignação em quem fez simulações nas "ofertas generosas" do banco para seus clientes. Diferente do que determinou o governador do Estado, e mais ainda do que explicou a assessoria de comunicação do BANESE, que disse o seguinte: "Dessa forma, a prorrogação está sendo oferecida com a manutenção da taxa de juros do contrato anterior, sem aumento no valor mensal das parcelas e sem cobrança de IOF, com a distribuição dos juros de carência nas parcelas do novo contrato". Dito assim, leigo que somos do sis

CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS VIRTUAIS

Nestes últimos dias fomos agraciados com mais uma novidade que irá vigorar nas próximas eleições municipais, a possibilidade de que as convenções partidárias ocorram virtualmente. É certo que a pandemia que nos aflige acelerou mudanças que seriam observadas ao longo dos anos, fazendo presente cada vez mais a tecnologia à nossa vida, consequentemente ao sistema eleitoral também. Já passamos pelo período das janelas partidárias, das filiações, do alistamento, de mudança de domicílio eleitoral e de regularização do título de eleitor, tudo feito de forma virtual. Em nossos textos é sempre mencionada a necessidade de adequação ao momento em que estamos vivendo, e a experiência vem demonstrando tal necessidade, sendo certo o fato de que quem não buscar se amoldar ao momento poderá ficar para trás no pleito vindouro. Especificamente no que tange à realização das convenções partidárias por meio virtual, foi realizada consulta ao TSE questionando esta possibilidade, sendo proferido Parecer favo