Pular para o conteúdo principal

As "munições" de Daniele e a falta de propostas

Estava ontem num determinado local público, quando uma conversa política começou, motivada pela entrevista concedida pela delegada Daniele Garcia ao radialista Narcizo Machado.
Como pré-candidata a prefeitura de Aracaju pelo Cidadania, a delegada chega colada com o discurso da "nova política", trazendo como atrativo sua passagem pela Deotap, onde comandou operações tendo como alvos muitos políticos e empresários.
Se as "munições" que Daniele diz ter forem documentos guardados de sua passagem pela Deotap, um advogado me disse que seria um risco a quebra do sigilo do ofício da delegada, principalmente, para uso político eleitoral.
Ainda sobre a conversa de ontem, um dos membros da roda fez um comparativo entre as delegadas Georlize Teles e Daniele Garcia. Ele disse que como prefeita Daniele estaria mais para delegada, enquanto Georlize se apresenta com postura de gestora.
De fato, ainda não foi possível ler e, ou ouvir propostas de uma administração, se a opção dos  aracajuanos for pela delegada Daniele Garcia.
O propósito de uma gestão limpa, transparente e sem corrupção deve ser premissa de todos os gestores públicos em qualquer função que exerça, sendo ou não delegado (a) de polícia.
O ideal é que os postulantes à sucessão de Edvaldo Nogueira apresentem seus projetos para o eleitorado, sem a necessidade de se colocar "diferente", apenas com o discurso do combate a corrupção. Pela doutrina do direito "todos são inocentes, até que se prove o contrário", logo, uma vez candidatos, depois de atender os requisitos legais, todos são iguais para a justiça eleitoral.
A capacidade de investigação da delegada Daniele Garcia não atesta que seja uma exímia executiva. Daí a necessidade de conhecer suas pretensões numa possível administração da capital.
Eu entendo que o eleitorado dispondo de mais alternativas para sua escolha é melhor, porém, não pode ser apenas de nomes, e sim de propostas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Decisão do ministro Alexandre de Moraes é temerária para um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins

O artigo a seguir foi extraído do endereço eletrônico registrado no final, e tem a autoria de um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins, que faz referência, inclusive, à possibilidade de intervenção militar diante da desordem e desarmonia entre os poderes (em negrito no texto). Leia na íntegra: "Harmonia e independência dos poderes? Por Ives Gandra Martins Aos 85 anos e mantendo amizade e admiração com e por grande parcela dos juristas brasileiros e muitos estrangeiros, de todas as colorações ideológicas, é sempre com constrangimento que, no dever que me imponho de cidadão, sinto-me na obrigação de expor opinião contrária àqueles expoentes do direito, que, sendo amigos, encontram-se em funções públicas. Ao ler a Constituição, cujos trabalhos acompanhei de perto, participando de audiências públicas, oferecendo textos, alguns aprovados pela Constituinte e, informalmente, assessorando alguns constituintes, não consigo encontrar nenhum dispositivo que

A "generosidade" do Banese em nome da pandemia visa lucro altíssimo

O governador Belivaldo Chagas determinou que o Banco do Estado de Sergipe PRORROGASSE por três meses as mensalidades dos empréstimos consignados dos servidores públicos, bem como os CDCs , devido o momento difícil que todos estão passando pela pandemia do Covid-19. Desde o dia 1° de maio o BANESE   já disponibilizou para os aplicativos de smartphones a opção de "PRORROGAÇÃO" para quem tem empréstimo com a instituição financeira, e já provocou dúvidas e indignação em quem fez simulações nas "ofertas generosas" do banco para seus clientes. Diferente do que determinou o governador do Estado, e mais ainda do que explicou a assessoria de comunicação do BANESE, que disse o seguinte: "Dessa forma, a prorrogação está sendo oferecida com a manutenção da taxa de juros do contrato anterior, sem aumento no valor mensal das parcelas e sem cobrança de IOF, com a distribuição dos juros de carência nas parcelas do novo contrato". Dito assim, leigo que somos do sis

CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS VIRTUAIS

Nestes últimos dias fomos agraciados com mais uma novidade que irá vigorar nas próximas eleições municipais, a possibilidade de que as convenções partidárias ocorram virtualmente. É certo que a pandemia que nos aflige acelerou mudanças que seriam observadas ao longo dos anos, fazendo presente cada vez mais a tecnologia à nossa vida, consequentemente ao sistema eleitoral também. Já passamos pelo período das janelas partidárias, das filiações, do alistamento, de mudança de domicílio eleitoral e de regularização do título de eleitor, tudo feito de forma virtual. Em nossos textos é sempre mencionada a necessidade de adequação ao momento em que estamos vivendo, e a experiência vem demonstrando tal necessidade, sendo certo o fato de que quem não buscar se amoldar ao momento poderá ficar para trás no pleito vindouro. Especificamente no que tange à realização das convenções partidárias por meio virtual, foi realizada consulta ao TSE questionando esta possibilidade, sendo proferido Parecer favo