Pular para o conteúdo principal

Redução de dano ou convicção?


Os projetos que foram aprovados por maioria na última sessão da Assembleia Legislativa neste ano teve alguns debates interessantes, que cabem observações.

O projeto mais aguardado dentre os que constavam na pauta, sem dúvida alguma, foi o que tratava da reforma da previdência estadual.
Quando se fala de reformar a previdência, e se associa ao discurso político, encontramos posicionamentos de toda ordem, inclusive, aqueles que sabem da necessidade de mudanças nas regras, mas, é preciso ser contra, justificando pelas convicções.
O deputado Iran Barbosa do PT, por exemplo, se posicionou contrário do início ao fim da tramitação da proposta, afirmando que faz política para "garantir direitos dos trabalhadores, e não aceitar que beneficiários do regime previdenciário sejam taxados". Por isso seu posicionamento.
O parlamentar petista tem suas razões, o que não quer dizer que os demais aprovaram o PLC apenas pelo propósito de ver mudadas as regras da previdência. Não é por aí!
O tema da previdência já é discutido faz tempo e, em algum momento, sabia-se que ficaria insuportável, inviabilizando qualquer administração que estivesse no plantão. Incluindo o velho "se" num questionamento: E se o presidente fosse Haddad, sustentaria a previdência como se encontrava? Prefiro acreditar que não, pois, sei que também tinha desenhado as consequências disso se nada fosse feito.
Outro parlamentar que também falou sobre a proposta foi o Capitão Samuel, que disse fazer uma política "buscando reduzir o dano da sociedade" através do seu mandato.
Justificando seu conceito, o capitão relatou todas as negociações que tiveram com as categorias, até encontrarem o melhor termo e alterar a proposta em comum acordo com os atores envolvidos.
Já Georgeo Passos fez um resumo do que foi seu mandato passado se posicionando contra quase todas as propostas apresentadas pelo governo sem buscar acordos, e por conta disso, nada conseguiu para inserir, suprimir, modificar e até substituir textos dos projetos tramitados.
No mandato atual, o parlamentar continua oposição ao governo, mas, atua com mais diálogo e amadurecimento com a bancada governista, o que tem lhe rendido algumas conquistas dentre as que apresenta quando da tramitação dos projetos. No parlamento, a boa convivência entre maioria e minoria resulta nisso. O radicalismo, populismo, e o "jogo pra galera", fica apenas na tribuna da Casa, não avança para entendimentos.
O fato é que estava escrito: Ou Sergipe fazia sua reforma previdenciária, ou sobreviveria até abril/maio de 2020. Isso numa conta generosa, pois, o déficit já ultrapassa números suportáveis, e não é de agora. E todos sabem disso.
É lógico que quem está usufruindo dos benefícios sentem a visgada da mudança, mas, e o futuro? Não é melhor equilibrar a previdência, mesmo que visgado pela mudança da regra, e garantir o benefício? Ou valeria arriscar na continuidade, e mais adiante ouvir a possibilidade real que a previdência, literalmente, quebrou, a ponto de não pagar um real pra ninguém? Simples assim!
Portanto, respeitando todos os posicionamentos, prefiro o acordo pela redução de dano, a "defender" uma continuidade suicida de um sistema que já vem travando a economia do país e seus estados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Decisão do ministro Alexandre de Moraes é temerária para um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins

O artigo a seguir foi extraído do endereço eletrônico registrado no final, e tem a autoria de um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins, que faz referência, inclusive, à possibilidade de intervenção militar diante da desordem e desarmonia entre os poderes (em negrito no texto). Leia na íntegra: "Harmonia e independência dos poderes? Por Ives Gandra Martins Aos 85 anos e mantendo amizade e admiração com e por grande parcela dos juristas brasileiros e muitos estrangeiros, de todas as colorações ideológicas, é sempre com constrangimento que, no dever que me imponho de cidadão, sinto-me na obrigação de expor opinião contrária àqueles expoentes do direito, que, sendo amigos, encontram-se em funções públicas. Ao ler a Constituição, cujos trabalhos acompanhei de perto, participando de audiências públicas, oferecendo textos, alguns aprovados pela Constituinte e, informalmente, assessorando alguns constituintes, não consigo encontrar nenhum dispositivo que

A "generosidade" do Banese em nome da pandemia visa lucro altíssimo

O governador Belivaldo Chagas determinou que o Banco do Estado de Sergipe PRORROGASSE por três meses as mensalidades dos empréstimos consignados dos servidores públicos, bem como os CDCs , devido o momento difícil que todos estão passando pela pandemia do Covid-19. Desde o dia 1° de maio o BANESE   já disponibilizou para os aplicativos de smartphones a opção de "PRORROGAÇÃO" para quem tem empréstimo com a instituição financeira, e já provocou dúvidas e indignação em quem fez simulações nas "ofertas generosas" do banco para seus clientes. Diferente do que determinou o governador do Estado, e mais ainda do que explicou a assessoria de comunicação do BANESE, que disse o seguinte: "Dessa forma, a prorrogação está sendo oferecida com a manutenção da taxa de juros do contrato anterior, sem aumento no valor mensal das parcelas e sem cobrança de IOF, com a distribuição dos juros de carência nas parcelas do novo contrato". Dito assim, leigo que somos do sis

CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS VIRTUAIS

Nestes últimos dias fomos agraciados com mais uma novidade que irá vigorar nas próximas eleições municipais, a possibilidade de que as convenções partidárias ocorram virtualmente. É certo que a pandemia que nos aflige acelerou mudanças que seriam observadas ao longo dos anos, fazendo presente cada vez mais a tecnologia à nossa vida, consequentemente ao sistema eleitoral também. Já passamos pelo período das janelas partidárias, das filiações, do alistamento, de mudança de domicílio eleitoral e de regularização do título de eleitor, tudo feito de forma virtual. Em nossos textos é sempre mencionada a necessidade de adequação ao momento em que estamos vivendo, e a experiência vem demonstrando tal necessidade, sendo certo o fato de que quem não buscar se amoldar ao momento poderá ficar para trás no pleito vindouro. Especificamente no que tange à realização das convenções partidárias por meio virtual, foi realizada consulta ao TSE questionando esta possibilidade, sendo proferido Parecer favo