Pular para o conteúdo principal

Corretores de imóveis e PMA têm reunião mediada pelo MP de Contas


Foi realizada na manhã da última sexta-feira, 15, uma reunião entre o Ministério Público de Contas (MPC), através do procurador geral João Augusto Bandeira de Mello, o secretário de finanças de Aracaju, Jeferson Passos e o presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci), Sérgio Sobral, além de auditores do município, com o objetivo de esclarecer alguns pontos acerca da cobrança do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) e do IPTU, bem como traçar meios de divulgação para a sociedade.

Para o procurador geral do MPC, João Augusto Bandeira de Mello, o_MG_8589.JPG encontro foi produtivo. “O Creci apresentou ao município suas preocupações com relação à cobrança do ITBI; o município de Aracaju mostrou toda sua metodologia de como é feita a cobrança e sob a nossa mediação foram vistas as angústias de cada parte e os procedimentos que cada um deve fazer. Chegamos a um consenso sobre algumas providências que podem aperfeiçoar os mecanismos de cobrança, a atuação própria dos corretores, que podem também orientar os compradores e alguns mecanismos realmente que possam dar mais transparência e visibilidade a esse processo”, disse ele.

Para Jeferson Passos, na reunião o município demonstrou que não há irregularidade com relação à cobrança de tributos em Aracaju, seja IPTU ou ITBI: “Esclarecemos tecnicamente os aspectos relativos a esse lançamento – alguns deles desconhecidos pelo próprio Creci –, ajustamos justamente procedimentos de maior divulgação em relação a como o contribuinte ou o corretor de imóveis pode proceder”.

Ainda segundo o secretário, havia uma certa desinformação, mas _MG_8545.JPGtudo foi esclarecido. “Combinamos e ajustamos que teremos ações de treinamento feitas pelos auditores do município e destinadas aos corretores de imóveis, que o próprio Creci irá promover e nós iremos participar. Além disso, teremos divulgação desses procedimentos aos contribuintes e faremos tudo em parceria; a Prefeitura fará através dos seus canais de divulgação. Foi uma iniciativa bastante proveitosa”, completou.

O presidente do Creci, Sérgio Sobral, afirmou que foi extremamente importante essa mediação promovida pelo MPC. “Acertamos de formar um canal de comunicação entre a Prefeitura e o Creci. Estamos aqui defendendo os corretores, as imobiliárias e a sociedade como um todo sobre a parte da cobrança do ITBI e do IPTU, formar uma comissão para fazer uns valores referenciais de mercado junto com a prefeitura e chamar também outras entidades de classe”.

E acrescentou que “também foi traçado um plano para reunir as pessoas que participam do mercado imobiliário, explicar toda a metodologia e divulgar, porque percebemos que menos de 1% da população não pede revisão, então deve ser divulgado tanto pela prefeitura como pelo Creci. Vamos começar a divulgar a partir de hoje, para que toda a sociedade seja beneficiada”.
Fonte e foto TCE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Decisão do ministro Alexandre de Moraes é temerária para um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins

O artigo a seguir foi extraído do endereço eletrônico registrado no final, e tem a autoria de um dos maiores constitucionalista brasileiro, Ives Gandra Martins, que faz referência, inclusive, à possibilidade de intervenção militar diante da desordem e desarmonia entre os poderes (em negrito no texto). Leia na íntegra: "Harmonia e independência dos poderes? Por Ives Gandra Martins Aos 85 anos e mantendo amizade e admiração com e por grande parcela dos juristas brasileiros e muitos estrangeiros, de todas as colorações ideológicas, é sempre com constrangimento que, no dever que me imponho de cidadão, sinto-me na obrigação de expor opinião contrária àqueles expoentes do direito, que, sendo amigos, encontram-se em funções públicas. Ao ler a Constituição, cujos trabalhos acompanhei de perto, participando de audiências públicas, oferecendo textos, alguns aprovados pela Constituinte e, informalmente, assessorando alguns constituintes, não consigo encontrar nenhum dispositivo que

A "generosidade" do Banese em nome da pandemia visa lucro altíssimo

O governador Belivaldo Chagas determinou que o Banco do Estado de Sergipe PRORROGASSE por três meses as mensalidades dos empréstimos consignados dos servidores públicos, bem como os CDCs , devido o momento difícil que todos estão passando pela pandemia do Covid-19. Desde o dia 1° de maio o BANESE   já disponibilizou para os aplicativos de smartphones a opção de "PRORROGAÇÃO" para quem tem empréstimo com a instituição financeira, e já provocou dúvidas e indignação em quem fez simulações nas "ofertas generosas" do banco para seus clientes. Diferente do que determinou o governador do Estado, e mais ainda do que explicou a assessoria de comunicação do BANESE, que disse o seguinte: "Dessa forma, a prorrogação está sendo oferecida com a manutenção da taxa de juros do contrato anterior, sem aumento no valor mensal das parcelas e sem cobrança de IOF, com a distribuição dos juros de carência nas parcelas do novo contrato". Dito assim, leigo que somos do sis

CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS VIRTUAIS

Nestes últimos dias fomos agraciados com mais uma novidade que irá vigorar nas próximas eleições municipais, a possibilidade de que as convenções partidárias ocorram virtualmente. É certo que a pandemia que nos aflige acelerou mudanças que seriam observadas ao longo dos anos, fazendo presente cada vez mais a tecnologia à nossa vida, consequentemente ao sistema eleitoral também. Já passamos pelo período das janelas partidárias, das filiações, do alistamento, de mudança de domicílio eleitoral e de regularização do título de eleitor, tudo feito de forma virtual. Em nossos textos é sempre mencionada a necessidade de adequação ao momento em que estamos vivendo, e a experiência vem demonstrando tal necessidade, sendo certo o fato de que quem não buscar se amoldar ao momento poderá ficar para trás no pleito vindouro. Especificamente no que tange à realização das convenções partidárias por meio virtual, foi realizada consulta ao TSE questionando esta possibilidade, sendo proferido Parecer favo